Buscar
  • ACP CURITIBA

Shibari - Tecnica Japonesa - BDSM

SAIBA TUDO SOBRE O SHIBARI, TÉCNICA JAPONESA DO BDSM


Se você entende de BDSM muito provavelmente já deve ter ouvido falar no shibari. Shibari é uma técnica de amarração secular, tendo como base povos antigos do Japão. Tal técnica ganhou um imenso destaque em contextos sexuais, visto como uma forma de obter e dar prazer imobilizando a outra pessoa com cordas e nós.

Para adeptos de um sexo mais leve, sem muitos apetrechos, a técnica pode parecer um pouco estranha. Lembrando que, assim como em outros tipos de sexo, no BDSM também há limites, a intenção. Se você está procurando formas de apimentar o sexo, o shibari é uma opção bem quente. Entretanto, há certas coisas que devem ser considerados.

É por isso que preparamos esse post para lhes apresentar a técnica e as outras questões que a envolvem e deixar você por dentro desse assunto bem caliente.



Se você procura estar sempre informado sobre as ''modalidades do sexo'', seja por curiosidade ou para apimentar suas relações, já deve ter ouvido falar sobre o significado de BDSM. Se nunca se deparou com o termo, sua tradução é: bondage, disciplina, dominação, submissão, sadismo e masoquismo.

A prática, assim como o ''sexo normal'', tem o objetivo de proporcionar prazer, seu diferencial é que se usa de alguns apetrechos com o intuito de deixar o clima mais quente! O BDSM tem muitas faces, o que o torna bem prazeroso de forma mais dura e intensa comparado com as relações sexuais comuns.

Para alguns, esses métodos parecem difíceis de serem compreendidos. Há sempre uma questão de dominar e ser dominado, varia muito de pessoa para pessoa, sendo algo bem pessoal.

Agora, para quem pensa que a satisfação pode ser atingida através de outras formas não tão tradicionais e adora inovar com novas sensações que chegam a enlouquecer os sentidos, o BDSM apresenta o shibari.


O shibari é uma técnica japonesa que consiste em dar e receber prazer através de uma amarração feita com cordas, suspendidas ou não, restingindo os movimentos e intensificando as sensações. Isso tudo acontece por uma mistura de fatores psicológicos e físicos.

Por ter um caráter bem pessoal, é bom lembrar que nem todas as pessoas estão aptas a fazer isso. A amarração necessita ser feita por pessoas que entendem do assunto, estudam e praticam há um bom tempo.

Existem técnicas específicas de amarrações, algumas pessoas preferem fazer apenas uma delas ou combiná-las. Elas são:

  • Ushiro: mãos são amarradas atrás das costas;

  • Gote Gasshou: mãos amarradas para trás e posicionadas em oração;

  • Hishi: consiste em criar formas de diamantes na amarração;

  • Matanawa: amarração com a corda nas áreas genitais.

  • Takate-kote: o tronco da pessoa é amarrado;

  • Tsuri: suspensão.

Cada ponto tem uma maneira única de estimular o prazer. Assim, novas zonas erógenas são apresentadas, aumentando ainda mais o repertório de conhecimento de seu próprio corpo ou do outro.

Mas observe isso: nada de pegar uma corda e sair se amarrando ou amarrando a pessoa que se relaciona sem ter ciência de como se faz. Assim você evita machucados e lesões que podem ocorrer por falta de técnica, assim como a insatisfação de não curtir o momento.


- Cuidados mentais e físicos para fazer o shibari


Shibari é um ato sexual que exige muito da mente e do corpo, no entanto, é preciso conhecer os limites. Até onde você aguenta ir? Você esta ciente do que envolve a prática? Seu físico está preparado para passar pela restrição que essa amarração envolve?

Pessoas traumatizadas sexualmente nem sempre são capazes de passar por essa técnica de amarração, tendo em vista que isso pode tocar em algum ponto dos pensamentos e sentimentos, causando terror e outro bloqueio.

Caso deseje conhecer essas novas sensações, é importante manter um acompanhamento psicológico e deixar o(a) parceiro(a) ciente. Acima de tudo, confiança é a chave!

Também é bom ter conhecimento do que acontece quando o corpo é cerceado. Por exemplo, é quase anulado os seus movimentos corporais, com isso os mecanismos de defesa e autopreservação são automaticamente ativados. Após a ativação, os neurotransmissores de prazer são liberados, causando reações físicas como o acelero do coração, sensibilidade a toques, entre outras coisas.

Sabe aquele momento em que vocês usam algemas, gravatas e outros objetos para amarrar e tudo fica mais intenso? Nesta técnica, acontece a mesma coisa, mas de forma muito mais potente.


- Importância de saber o que está fazendo: tudo do jeito certo!


O shibari não é realizado de qualquer forma, ou seja, não basta somente pegar uma corda e sair amarrando qualquer parte do corpo. É importantíssimo conhecer quais são os pontos certos.

Os pontos certos estimulam o prazer e a sensação de tranquilidade e leveza, ideal para diminuir um pouco a potência do bombardeio de sensações. Além dessa forma, pode ser usado como uma expressão artística, evidenciando os contornos do corpo.

Há as regiões do corpo que são proibidas, evitando assim, acidentes como asfixia, lesões em nervos e tendões, assim como comprometimento de algum membro ou músculo de forma não saudável. As áreas proibidas são:

  • Pescoço;

  • Áreas muito macias;

  • Articulações.

Além disso, é importante ficar de olho na pessoa ou em seu próprio corpo. Caso haja sinais de enjoos, estrangulamento e hiperventilação, é necessário suspender as amarras. Por isso, é indicado sempre deixar uma tesoura sem ponta por perto.

Confira As Mais Belas Garotas de Programa / Acompanhantes de Curitiba. (CLIQUE AQUI)


ACP CURITIBA

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo